O país está em alerta para a febre amarela silvestre.  Estamos vivendo uma epidemia de febre amarela silvestre, especialmente no estado de Minas Gerais, onde inúmeros casos já foram confirmados, inclusive com alguns óbitos. Dia 24 de março de 2017 recebemos o alerta de morte de macacos por febre amarela na região de Campinas.

Até o momento a região metropolitana de Campinas está fora da área onde há recomendação para vacinação contra a febre amarela. No entanto, no último dia 24 de março a secretaria municipal de saúde de Campinas confirmou a morte de 3 macacos por febre amarela silvestre. Exames realizados no Instituto Adolfo Lutz comprovaram esta a causa do óbito destes animais, que foram encontrados na Fazenda Santa Lídia, na área rural do distrito de Sousas, em Campinas.

Com esta confirmação, será realizada vacinação da população que mora na área rural de Sousas, o que compreende cerca de 1000 pessoas. Recomenda-se que pessoas que forem visitar as regiões de Sousas e Joaquim Egídio, em Campinas, sejam previamente vacinadas ou reforcem o uso de repelente.

Vale a pena destacar que a medida até agora é preventiva, já que NÃO FORAM REGISTRADOS CASOS DE FEBRE AMARELA EM HUMANOS em nenhum local da região de Campinas até o momento. O único caso confirmado de febre amarela na região de Campinas,  foi registrado em Paulínia. No entanto, tratava-se de um indivíduo que viajou para o estado de Minas Gerais, onde contraiu a doença. Portanto, não temos ainda na região nenhum caso em humanos.

Há, sim um ALERTA, já que a doença foi detectada em macacos da região. Como já falamos em outros posts, a febre amarela silvestre é causada por um vírus, transmitido pela picada do mosquito Haemagogus infectado. O ciclo da doença silvestre ocorre apenas entre o mosquito e os macacos. O homem contrai a doença caso entre no meio silvestre sem a proteção vacinal e seja picado pelo Haemagogus infectado.  A febre amarela urbana é causada pelo mesmo vírus, porém transmitido no ambiente urbano pelo mosquito Aedes Aegypti infectado. Neste caso o ciclo da doença se faz entre o mosquito Aedes e o homem, sem ter relação com o macaco. Não temos casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942. Nos últimos surtos de febre amarela, o que inclui o surto atual, trata-se de febre amarela silvestre.

Desta forma, devemos ficar alertas! No momento não há ainda motivo para pânico e não há recomendação para vacinação em massa da população da região de Campinas. Moradores da região de Sousas e Joaquim Egídio serão vacinados. Previna-se caso você vá visitar estas regiões.

Ficaremos ligados para mudanças no cenário da febre amarela na região de Campinas. Informaremos vocês caso a recomendação se amplie!

Veja aqui se seu filho e sua família devem ser vacinados!