No ultimo mês a Organização mundial de Saúde (OMS) emitiu um alerta ⚠️ aos países do continente Americano (o que inclui o Brasil!🇧🇷) para que reforçássemos a vigilância no combate ao sarampo. Graças a medidas de prevenção e cobertura vacinal amplas, o continente Americano foi o primeiro continente a reduzir drasticamente o número de casos de sarampo👏🏼👏🏼. No entanto, muitos casos vem sendo notificados em outros continentes, especialmente na Europa. Com a ampla circulação de pessoas entre os continentes, a doença pode facilmente voltar a circular nas Américas, daí a preocupação da OMS.

No Brasil o último caso notificado confirmado de sarampo foi em agosto de 2015. 🙏🏽 A circulação endêmica do sarampo nas Américas já foi controlada. Em 2016 o continente Americano registrou apenas 93 casos de sarampo em 3 países (nenhum no Brasil). Em 2017, até o final de abril já foram registrados 84 casos (na Argentina, Canadá e Estados Unidos). Todos estes casos foram importados de outros países, ou seja, o vírus foi adquirido por pessoas que viajaram para outros continentes ou que tiveram contato com viajantes.  40% destes casos aconteceram em indivíduos não vacinados, o que nos chama atenção, já que a vacina está amplamente disponível.

O sarampo é uma doença causada por vírus e caracterizada por febre, exantema (vermelhão no corpo), dor no corpo e mal estar, tosse, coriza e conjuntivite. Principalmente nas crianças o quadro pode ser grave com necessidade de internação e até mesmo risco de morte.

O sarampo pode ser prevenido pela vacinação. A vacina contra o sarampo é a chamada tríplice viral, que também protege contra a caxumba e a rubéola e é administrada nas crianças a partir de 12 meses de idade, com necessidade de uma dose de reforço aos 15 meses. A vacina está disponível nos postos de saúde e em clínicas privadas e confere boa proteção.

Nos últimos anos vem sendo observada uma onda de “não vacinação”, em que famílias optam por não vacinar seus filhos. Já falamos em um post anterior sobre a gravidade de não vacinar as crianças e enumeramos muitas razões para você nem pensar em não vacinar seu filho.

Este alerta atual da OMS só faz reforçar estas razões. O Brasil está livre da circulação do vírus do sarampo desde 2015, mas com a ampla entrada e saída de pessoas no nosso país o vírus pode facilmente voltar a circular no país. Caso o vírus volte ao Brasil, quanto mais pessoas não vacinadas na população maiores as chances de ocorrerem epidemias e repercussões desastrosas.

Desta forma, temos que ficar de olhos abertos 👀e manter a vacinação das crianças em dia. Isso irá proteger seu filho de uma infecção potencialmente grave e também irá proteger a população toda de novas epidemias. Não é apenas uma questão de cuidado com seu filho, mas também uma questão de saúde pública! Quanto mais pessoas vacinadas, menor a chance de o vírus circular e se disseminar. Sua atitude poderá evitar que muitas pessoas fiquem doente!!🙏🏽😉