Meningite na criança: só de pensar já dá arrepios! 😱 Mas temos que pensar!! 😨É importante conhecermos o assunto, pois a meningite pode aparecer de forma muito rápida e devemos estar espertos com os sintomas para procurar o médico na hora certa, para que o diagnóstico e o tratamento sejam realizados o mais precocemente possível.

A meningite é a inflamação das membranas que recobrem o cérebro e a medula espinhal.  Esta inflamação é diagnosticada pela coleta de líquor, que é o líquido que circula por entre estas membranas. A meningite na criança pode ser causada por vários agentes, mas os principais são os vírus e as bactérias. Dentre as bactérias as mais comuns são: meningococo, o pneumococo e o Haemophilus B. Diversos vírus podem causar meningite, como o herpes vírus ou o citomegalovírus.  Através da análise do líquor conseguimos definir se trata-se de uma meningite viral ou bacteriana. No caso das bacterianas, o exame de cultura do líquor poderá identificar qual é a bactéria responsável pelo quadro.

A meningite na criança (tanto a viral quanto a bacteriana) pode apresentar os seguintes sintomas:

📌 febre

📌 cefaleia (crianças maiores)

📌 vômitos

📌 irritabilidade

📌 sonolência excessiva ou confusão mental

📌 convulsões

📌 Rigidez no pescoço

📌 Prostração importante, mesmo depois de abaixar a febre

📌 Nos bebês que ainda tem a moleira aberta: na meningite a moleira pode ficar abaulada (parecendo uma bolinha) e mais tensa

⚠ casos disseminados de infecção causada pela bactéria meningococo (meningococcemias) a criança pode também apresentar: manchas arroxeadas ou vermelhas pelo corpo, falta de ar, coração acelerado, pressão baixa, queda do estado geral

A meningite é uma infecção potencialmente grave: pode deixar sequelas neurológicas graves ou até mesmo ser fatal. Por isso, quando a criança apresentar os sintomas acima, procure seu pediatra. O médico, através do exame físico poderá definir se há indicação de coleta do líquor para diagnóstico de meningite.

O tratamento da meningite bacteriana se faz através de antibiótico endovenoso. O tempo de tratamento varia entre 7 a 14 dias, dependendo do tipo de bactéria.

A meningite viral não requer o uso de antibióticos, apenas repouso, hidratação e analgésicos. Em geral a criança permanece internada por poucos dias apenas para monitorização clínica, embora em casos leves o tratamento poderá ser realizado em casa.

A meningite é transmitida através de gotículas de saliva: tosse, espirros, beijos, contato com superfícies contaminadas. Muitas vezes a pessoa que transmite pode ser portadora da bactéria ou do vírus e não estar doente.

A meningite bacteriana pode ser prevenida através de vacinas:

✅ Vacina Pneumocócica (10 valente, 13 valente ou 23 valente):  protege contra as cepas de pneumococo que causam meningite. Estão disponíveis na rede pública e privada

Vacina anti-Haemophilus B: disponível na rede pública e privada, já amplamante utilizada, o que fez reduzir consideravelmente os casos de meningite por Haemophilus

Vacinas meningocócicas: a meningite pelo meningococo  pode ser prevenida pela vacina meningocócica C (protege contra cepa meningoco C) e pela meningocócica ACWY (proteção contras as cepas A,C, W e Y do meningococo). Até há pouco tempo a meningocócica ACWY estava disponível apenas para a dose de reforço aos 12 meses, atualmente em clínicas privadas ela já está disponível para as doses de 3 e 5 meses. Na rede pública está disponível apenas a meningocócica C para todas as idades. Em 2015 entrou para o calendário brasileiro de imunizações a vacina meningocócica B. Disponível ainda apenas em clínicas privadas, esta vacina tem cobertura para cerca de 80% dos casos de meningite pelo meningococo tipo B.

Muito importante para prevenção da meningite são os métodos de higiene como lavar frequentemente as mãos e evitar contato com pessoas doentes.  Para as meningites virais, para as quais não há vacina, as medidas de higiene tornam-se ainda mais importantes.

Quando um membro da família estiver com meningite o médico irá definir que cuidados que o restante da família deverá tomar, a depender do tipo de meningite. Em alguns casos de meningite bacteriana, se faz necessário uso de antibióticos preventivos para os outros membros da família. Converse com seu pediatra!

Em casos de meningite na escola ou de surtos de meningite, os órgãos responsáveis irão avaliar o uso de vacinas para bloqueio da transmissão no local. O hospital no qual a criança estiver internada se encarregará de comunicar os novos casos diagnosticados para os órgão de controle de epidemias.

A meningite na criança pode ser muito assustadora para as mamães e papais. É uma infecção potencialmente grave e deve ser diagnosticada e tratada o mais rápido possível. Mantenha a vacinação do seu filho em dia e fique atento aos sintomas!😊