Quem nunca passou por isso, pode se considerar sortudo! Uma grande queixa nos consultórios pediátricos é a dificuldade que os pais enfrentam com a alimentação da criança em algum momento da vida. “Dra, meu filho não come!!”😱😱 Então, vamos por partes…

Seu filho não come… mas não come NADA ou não come comida saudável ou aquilo que a família quer que ele coma?! Essa é a primeira pergunta que devemos nos fazer. Há muita diferença entre não ter apetite para nada e ter apetite para algumas coisas. Antes de definir que o filho não come precisamos pensar nas seguintes questões:

1⃣ Será que não é apenas uma redução transitória do apetite?  É normal em determinadas fases da infância a criança comer mais e em outros comer menos. Há fases em que o crescimento da criança é mais acentuado e por demandar mais energia a criança come mais. Isso é muito claro por exemplo na passagem do primeiro para o segundo ano de vida: até completar 1 ano o bebê cresce muito e ganha muito peso, isso faz com que seu apetite seja maior do que entre 12 e 24 meses de vida, fase em que o ritmo de crescimento não é tão acentuado. Mais tarde na fase escolar também podem ocorrer períodos de menor apetite, determinados pelo ritmo de crescimento da criança. Além disso, períodos de infecções, doenças ou mesmo períodos de maior estresse emocional para a criança podem se caracterizar por menor apetite, que em geral melhora após a resolução do quadro.

2⃣ Será que essa falta de apetite está atrapalhando o crescimento da criança? Isso é fundamental! Muitas vezes a quantidade reduzida de comida é angustiante para os pais, mas não está atrapalhando em nada o desenvolvimento da criança. Nos momentos de redução do apetite, converse com o seu pediatra, a avaliação do ritmo de crescimento e ganho de peso da criança é muito importante, isso vai nos mostrar se aquilo que ele está comendo está sendo suficiente para seu crescimento. Se a criança estiver saudável e crescendo bem, apesar de ser angustiante para os pais, não haverá problemas a redução de apetite 😊

3⃣ A falta de apetite é seletiva? Ele não está comendo a comida saudável habitual da família apenas OU também não está comendo as besteiras ou os alimentos que mais gosta? Um erro muito comum é que a criança se recusa a comer a comida saudável oferecida pela família, mas acaba se alimentando das famosas besteiras: bolachas, salgadinhos, chocolates, refrigerantes, etc. Ou seja, o problema aí não é falta de apetite, é apenas um erro na alimentação. Nestes casos a família deverá se reorganizar para não deixar a criança substituir ou trocas refeições saudáveis pelas besteiras. Hora da comida é hora da comida, jamais deixe trocar por outra coisa.🙏

4⃣ Seguindo este mesmo raciocínio há também aqueles, principalmente as crianças entre 1 e 3 anos, que trocam a alimentação adequada por leite. Avalie junto com seu pediatra quantas vezes ao dia é adequado para seu filho ingerir leite para que isso não atrapalhe o apetite para outros alimentos importantes nesta faixa etária. Isso também vale para crianças  que ainda mamam no seio materno: após a introdução de novos alimentos, o leite materno terá seu importante papel, mas deverá ser ofertado nos momentos adequados.

5⃣ A criança tem um ambiente adequado para se alimentar? Para que a alimentação seja um processo calmo e agradável o ambiente deve estar propício para isso: ambiente calmo e limpo, sem estímulos sonoros em excesso (ou seja, sem televisão, rádio, video-game, tablets e celulares na hora de comer e sem brincadeiras que desviem a atenção da criança), a criança deve ser colocada em uma posição confortável com cadeirinhas adequadas para cada idade. Além disso é muito importante o engajamento da família: os pais devem ter calma e paciência e fazer deste momento um momento agradável para a criança.

6⃣ A apresentação dos alimentos é muito importante! Alimentos mal temperados ou com a apresentação feia podem desviar o interesse da criança. Tente inovar, mudar os temperos de vez em quando, fazer comidinhas saudáveis que chamem atenção para o lado lúdico da criança. Chame a criança para ajudar no preparo da comida, faça da cozinha um ambiente de interação, para que alimentação não seja vista como algo penoso e chato. Veja a dica de preparo de cupcakes com a criançada aqui.

7⃣ Observe se junto com a falta de apetite há outros sintomas. Geralmente quando a falta de apetite é sinal de alguma doença ou algum problema mais sério, ela vem acompanhada de outros sintomas, como por exemplo: indisposição para as atividades cotidianas, alterações no sono, dores diversas, sintomas gastrointestinais, febre, alterações no ritmo de crescimento ou no desenvolvimentos, dificuldades escolares, etc. Se este for o caso, consulte seu pediatra.⚠⚠

Então, se você estiver passando pela famosa fase do “meu filho não come”, pense nessas questões muito importantes e converse com seu pediatra! 😉