No último dia 05 de abril o Ministério da Saúde anunciou nova mudança na vacina contra febre amarela. Estamos acompanhando mudanças constantes na recomendação desta vacina, com ampliação das áreas de necessidade de vacinação. A mudança que ocorreu neste dia 05, no entanto, refere-se a recomendação quanto ao número de doses da vacina.

Até então a recomendação era de duas doses, com intervalo de 10 anos entre elas, para garantir a imunidade para a vida toda. Em 2014 a OMS (Organização Mundial de Saúde) passou a recomendar apenas 1 dose da vacina contra febre amarela para que o indivíduo possa ser imunizado. Esta recomendação ainda não tinha sido adotada no Brasil. No entanto, a partir de agora o Ministério da Saúde passa também a utilizar a mesma recomendação da OMS. Assim, indivíduos de mais de 5 anos de idade passam a receber apenas uma dose da vacina contra febre amarela.

🚩 Para crianças de até 5 anos a recomendação continua a mesma:

👉 A vacina pode ser aplicada a partir dos 9 meses de idade

👉 Crianças até 4 anos: uma dose aos 9 meses e um reforço aos 4 anos

👉 Crianças a partir de 5 anos de idade:

✅ Caso tenham recebido uma dose antes de completar 5 anos, devem receber um reforço com intervalo mínimo de 1 mês

✅Caso a primeira dose tenha sido realizada com 5 anos já completados, o reforço deverá ser realizado após 10 anos

👉 Crianças entre 6 e 9 meses de idade: a vacina poderá ser realizada em casos específicos. Como neste idade há maior chance de reações adversas deve-se ponderar a indicação. Se tratar-se de uma viagem, avalie adiá-la. Caso a viagem não possa ser adiada ou se a criança for moradora de região endêmica: em épocas de surto (apenas nos surtos!) a vacina poderá ser realizada nesta idade quando a cidade já tiver tido algum caso suspeito da doença. Se for alguma cidade da área endêmica mas que naquele surto ainda não tiver tido nenhum caso notificado, não há indicação de vacinar as crianças de 6 a 9 meses de idade.

🚩 Para os adultos a vacina contra febre amarela está indicada para indivíduos de até 60 anos.  A partir de agora, então, com apenas 1 dose. Vejam as contraindicações:

👉Pacientes com imunossupressão de qualquer natureza: doenças que comprometam a imunidade (como HIV grave ou imunodeficiências primárias), transplantados e pacientes em uso de medicamentos imunossupressores (corticóidess, imunomoduladores, quimioterapia entre outros)

👉 Indivíduos com neoplasias

👉  Pacientes que apresentaram reação grave a dose prévia de vacina de febre amarela

👉 Gestantes: deverão ser vacinadas apenas aquelas que residem em cidades dentro da área endêmica que já tiveram casos notificados durante o surto

👉 Mulheres que estão amamentando: assim como as gestantes, deverão ser vacinadas apenas as que residem em locais onde já foi confirmada a circulação do vírus. A mamãe que está amamentando, quando vacinada pode passar para o bebê, através do leite materno, o vírus vacinal. O vírus vacinal é um vírus inativado, que é responsável por estimular a produção de anticorpos contra a doença. Para bebês menores de 6 meses o risco de reação adversa com esse vírus inativado é maior. Mamães amamentando bebês menores de 6 meses devem, por conta disso,  considerar ordenhar leite para armazenamento antes de serem vacinadas. Utilizar o leite ordenhado por pelo menos 15 dias após a vacinação, se possível por 28 dias.

A vacina da febre amarela, como qualquer vacina, pode levar a efeitos adversos. Sintomas leves como dor e vermelhão no local da picada podem acontecer em cerca de 2-4% doso casos. Reações como febre, mal estar, dor de cabeça e no corpo ocorrem em menos de 4% dos casos. As reações mais graves com manifestações mais graves como sintomas neurológicos, icterícia, sangramentos, são bem raras, notificadas em 0,04-0,2 casos a cada 100.000 vacinados.

A recomendação continua sendo que indivíduos moradores das áreas endêmicas e aqueles que irão viajar para estas regiões recebam a vacina. A mortalidade da febre amarela pode chegar a 10%, ou seja, é uma doença potencialmente grave e fatal. Portanto, para os moradores dessas regiões e para os viajantes, a vacinação é de fundamental importância. Para aqueles que irão viajar para áreas endêmicas a vacinação deve ser feita pelo menos 10 dias antes da viagem.